Olorum | na Umbanda e no Candomblé

Início » Olorum | na Umbanda e no Candomblé

Olorum, também conhecido por Olodomaré ou Olórun, ou ainda Senhor do Órun (céu), isto no Camdomblé.

Pouca gente sabe o significado desse nome e dessa entidade, mas vamos esclarecer tudo neste artigo.

Vai ficar sabendo quem é ele, tanto na Umbanda como no Candomblé.

Para além disso vamos revelar pra você algumas das suas características, as oferendas e até mesmo a oração.

Como se isso não fosse suficiente vamos trespassar uma linda oração pra você lhe fazer.

Se pretende ficar a saber tudo o que precisa sobre esta preciosa entidade basta continuar lendo este artigo.

Quem é Olorum na Umbanda?

Quem é Olorum na Umbanda?

Ilustração – Fonte

Na Umbanda apenas Olorum, ou às vezes em algumas casas Zambi, porém Ele é o criador de tudo e de todos nós. 

O princípio de tudo e de todos, o eterno movimento da vida e de tudo que há nela.

Imutável, imaterial, único e infinito em suas perfeições.

Deus, o nosso Deus na Umbanda, que é mesmo no Candomblé, no catolicismo.

Só existe um Deus, que pode ter vários nomes, mas apenas um Deus que a tudo comando e governa, Olorum.

A partir Dele tudo foi criado e organizado, na Umbanda dizemos que os Orixás foram criados para ajudar a Deus a governar o mundo, e para que ninguém fosse esquecido ou abandonado, nada e nem ninguém.

Na igreja Católica existem alguns sincronismos com os nossos Orixás, e sabemos que só foram criados para que os escravos vindos da África, pudessem cultuá-los sem serem castigados.

Olorun não é um Orixá de incorporação, seria impossível o corpo humano suportar tamanha força e energia.

Assim como não incorporamos os Orixás, e sim espíritos que trabalham para as linhas dos Orixás, um exemplo, não incorporamos Ogum e sim um espirito que trabalha na linha de Ogum.

Porém no caso de Olorun e Oxalá, não existe incorporação direta e sim dos espíritos que trabalham para os Orixás.

Olorum então criou os Orixás para que eles pudessem cuidar do mundo e das pessoas com o auxílio direto de Dele.

E distribuiu reinos e axés para os Orixás, e comanda a tudo e a todos.

Nem todos os mistérios são conhecidos por nós, ainda estamos em um estado de evolução que não entenderíamos ainda que nos fosse dito.

Olorum e os Orixás

Ele e os Orixás

Diferentes Orixás – Ilustração

Diz a lenda, que Deus precisava de mais espíritos de Luz trabalhando para a Lei Maior, que é o código do Umbandista, servir a todos por amor e caridade sem esperar nada em troca.

Deu a Jesus seu filho, o nome de Oxalá, que na Umbanda se reverência assim como no Candomblé, mas não existe incorporação, a energia e força deste Orixá, como de qualquer outro acabaria com o ser humano.

A Oxalá, deu a paz e o amor incondicional pela humanidade, a Fé e a Paz são os principais Axés de Oxalá, mas a Ele podemos pedir tudo.

A Exu, deu a missão da mensagem, Ele é responsável por levar os pedidos dos homens aos Orixás, abertura de caminhos.

A Ogum, deu o poder das batalhas, domínio do ferro e das armas, protetor dos militares, e dos caminhos (estradas)

A Xangô, deu a justiça, e o domínio das pedreiras, o trovão.

A Oxóssi, deu o conhecimento, o domínio sobre a caça, e provedor da fartura.

A Iemanjá, deu o domínio dos mares, da fertilidade, mãe de todos os filhos de Umbanda, ainda que cada filho tenha a sua mãe espiritual, Iemanjá é conhecida também como mãe de todos os Orixás (Yoruba)

A Oxum, deu a beleza, o domínio sobre rios, fortuna e riqueza, quando falo sobre riqueza não me refiro apenas a material, mas sobretudo a riqueza espiritual. Mas pedimos a Mamãe Oxum por ouro.

A Iansã, deu o poder sobre as chuvas e tempestades, Orixá guerreira, que cuida também dos Eguns (espíritos que ainda vagam).

A Nanã, o poder da morte e das águas das chuvas, as que ficam paradas.

Aos Ibejis, Cosme e Damião, deu a alegria da criança, o poder da cura.

Estes são os Setes Orixás cultuados na Umbanda, mas Olorum também distribuiu para vários outros Orixás suas funções e contribuições para o bem maior da humanidade.

A Longun Edé, deu o poder da caça e da pesca.

A Oxumaré, o poder da chuva e do arco-íris.

A Ossaim, o poder das ervas e das curas por elas.

A Yewa, deu a vidência e o poder de caçar

Enfim, existem muitos outros, sabemos que existem mais de 100 Orixás, mas na Umbanda não cultuamos a todos, e às vezes nem saudamos a todos.

Mas quando é preciso pedimos ao nosso pai maior Olodomaré que nos permita recorrer a ajuda dos outros Orixás, cultuados em outras nações.

E sempre somos atendidos, porque Olorum é Deus de todos nós seres viventes.

Não existe uma imagem que o demonstre, assim como não existe uma imagem que represente a Deus.

Onipresente e onipotente, está em todos os lugares ao mesmo tempo, não precisa de nada de nós seres humanos, nós é quem precisamos muito Dele e de Seus Orixás Sagrados.

Através da Umbanda, e nos trabalhos de caridade feitos na Umbanda, evoluímos assim como nossos Guias de proteção, os Orixás, não precisam mais de Luz, Eles já as têm.

Saudação para Olorum

Todo mundo gosta de dar uma boa saudação de acordo com determinadas entidades da Umbanda.

Neste caso as coisas são ligeiramente diferentes…

Ele não tem qualquer tipo de saudação, em vez disso saudamos Oxalá

Epá Babá Oxalá/ Exê Babá: “O senhor realiza” “Obrigado Pai”

Características dos seus filhos

Todos somos filhos de Olorum, não existe uma característica própria, precisaríamos ser deuses para ter alguma característica com ele, o que temos são as características de nossos Orixás de cabeça. 

Portanto não existe um filho desta entidade, somos todos.

Tendo em conta isso não lhe podemos dizer qualquer tipo de características.

Afinal, estamos sempre aprendendo, é por isso que o nosso blog existe, para ensinar aquilo que você não sabe!

Oferendas para Olorum

Também não existe, na verdade a única oferenda que espera de nós, seus filhos, é a doação do coração ao próximo, não acendemos velas para Olorum, pedimos para os Orixás e Guias protetores.

A vela branca que fica em nossos congas são para Oxalá (Jesus), para que nos traga a paz, amor e paciência em nossas vidas.

Oração, ela existe?

A única oração deixada por Jesus (Oxalá), quando aqui esteve, foi o Pai Nosso, que resume toda a nossa súplica e mostra o quanto somos pequenos diante de tamanha grandiosidade.

Rezamos o Pai Nosso antes de abrir qualquer trabalho na Umbanda e também no Candomblé, em algumas casas de Candomblé existe orações em Yoruba, mas como o tema aqui é Olorum na Umbanda, vou deixar apenas a referência ao Pai Nosso que todos conhecemos.

Gostaria de encerrar este artigo dizendo que sem esta entidade nada somos, nada existiria, e que sem a força dos Orixás comandados por si, seria muito difícil viver neste mundo.

Salve Todos os Orixás!

Conclusão

Já deve ter percebido que Olorum na Umbanda e até mesmo no Candomblé é bastante misterioso.

Lembre-se sempre que é uma das entidades mais importantes de todas e que criou todos os importantes Orixás que nos protegem.

Se pretender saber mais sobre o mundo da Umbanda recomendamos que leia o artigo sobre Cosme e Damião na Umbanda e sobre o nosso Orixá protetor.

Fique bem, com muita saúde e com muita felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Experimente todos os nossos oráculos online grátis.

 Jogo de Búzios

 Tarot dos Orixás

 Runas do Amor

 Tarot: Bola de Cristal